segunda-feira, 15 de agosto de 2011

O Multitarefas é uma produção direta da informatização, e isso é BOM.

Outro dia estava conversando com um ex-colega de faculdade que trabalha com recursos humanos, discutíamos a respeito do profissional multitarefa e a sua dificuldade na atenção concentrada. Ao final encerrei a conversa com a seguinte frase: "entre um profissional com boa atenção concentrada e outro multitarefa, qual você contrataria?" Adivinha a resposta, o multitarefa.

É claro que a seleção para uma determinada função não se da dessa maneira simplista, mas é cada vez mais claro que o multitarefa esta se tornando padrão de comportamento na sociedade atual. Eu diria que a pessoa com boa atenção concentrada deveria ate se valorizar melhor no mercado de trabalho. Mas ate onde isso é apenas um padrão de comportamento que esta sendo absorvido na sociedade e se tornando imperceptível?

Segundo o Don Tapscott - @dtapscott - que recomendo a todos e para todas as áreas - a influencia, ou a ação, da informatização no cotidiano esta produzindo pessoas mais atentas ao que acontece ao seu redor. Assim como com o advento da televisão o numero de pessoas com esse ou aquele comportamento não foi alterado, também não será com a digitalização da vida, embora algumas pesquisas "altamente suspeitas" queiram nos fazer crer que a informatização e digitalização da vida possa surtir algum efeito em algumas patologias. Como por exemplo, a pesquisa de Baroness Greenfield, ex-diretora do Royal Institution, sobre ligação entre o aumento do uso da Internet e o aumento do autismo - ela tambem disse que, o o Facebook e Twitter estão criando uma geração vaidosa e obcecada por atenção

 Francamente eu gostaria muito de ter acesso a essas pesquisas, vasculhei a internet e nao encontrei a publicacao da pesquisa. Encontrei sites, como os linkados acima, mas nenhum ligado a uma instituição de ensino e pesquisa confiavel. Entretanto, é de facil acesso, fisicamente (livros em livrarias e publicações em bibliotecas) e virtualmente (tudo o que se possa imaginar), material sobre as pesquisas feitas por Don Tapscott.

 Essas teorias, sim, teorias, ate que eu encontre a pesquisa na integra ficara aqui sendo teoria, é frontalmente  contestado por Tapscott  que , "há uma evidência contrária que revela uma dose de idealismo e consciência social bem maior que a de seus pais. Essa geração tem um forte senso de bem-estar comum, de responsabilidade cívica e coletiva. Além de tudo, ela detém mais conhecimento do que qualquer outra geração nessa idade"
 Segue abaixo uma reportagem sobre a influencia das tecnologias nos jovens




Para Don Tapscott , estamos vivendo o fim da era industrial. Estamos na era das redes, e nelas os jovens "SÃO" , e nao apenas "ESTÂO" online, segundo ele, "quando estão on-line, as crianças lêem, analisam, contextualizam, criticam e compõem seus pensamentos. Estamos assistindo ao nascimento de uma geração de jovens inovadores, antenados, entendedores do poder da mídia, que aprendem por meio da interação. A informação não é apenas consumida.  Ela também é produzida pelos jovens."   No post "A consciência do sua escolha de consumo - We are the future" , tem um vídeo bem esclarecedor sobre isso. A internet produziu sim, jovens ATIVOS, bem diferentes daqueles como por exemplo, da minha geração, a geração do sofá, totalmente passiva. Eles tem plena consciência do seu poder. 

"Esses jovens têm autoconfiança e auto-estima. Sabem que seu futuro não está nas mãos de governos ou empresas. Valorizam os direitos individuais, como a privacidade e a liberdade de expressão. E mais: querem ser tratados com justiça. Há um traço cultural marcante, que faz com que eles queiram dividir uma parte da riqueza que ganham." D. Tapscott.

Pra quem esta "desacreditado" nos jovens de hoje eu recomendo veresse video, "we all want to be young" 




Nós todos queremos ser jovens. Seremos jovens se existirmos como os jovens de "agora". buscar eternizar o jovem "daquele tempo" já nao é mais "SER" jovem.